Notícias

Portugal encarado como “estrela ascendente da educação internacional”

      
Portugal conseguiu um desenvolvimento educativo que surge de um esforço global para mudar o estatuto socioeconómico da população
Portugal conseguiu um desenvolvimento educativo que surge de um esforço global para mudar o estatuto socioeconómico da população
  • Portugal apresenta bons indicadores quanto à literacia dos seus alunos de 15 anos.
  • A conclusão é do Pisa, uma avaliação do sistema educativo da responsabilidade da OCDE.
  • A escolarização das mães tem contribuído para o sucesso dos estudantes portugueses.

Portugal conseguiu que os seus alunos de 15 anos se situassem acima da média dos países que foram avaliados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) nas três áreas de estudo analisadas pela prova Pisa (Programme for International Student Assessment): ciência, leitura e matemática.


A OCDE começou no ano 2000 a aplicar este inquérito, que acontece a cada três anos, para obter a avaliação internacional à literacia dos alunos. Portugal é o único país europeu a melhorar o  desempenho a cada nova sondagem. Nem mesmo nos períodos mais duros da crise, esta evolução mudou a trajetória. A consistência dos resultados é tão grande que hoje Portugal recebe o título informal de “estrela ascendente da educação internacional.

Gostava que o seu filho seguisse para o ensino superior?

Procure opções na Universia

Apesar dos resultados positivos ainda há um longo caminho para percorrer na educação portuguesa e muito para melhorar. Entre os 72 países que participam na prova, a pontuação de Portugal na última avaliação indica que o país se situa 8 pontos acima da média na ciência, cinco pontos na leitura e dois pontos na matemática. Este contexto coloca Portugal ainda longe do rendimento de sistemas educativos de referência internacional, como Singapura, Finlândia, Hong Kong, Canadá e Suíça.

Geração dos pais escolarizados

Durante os últimos 50 anos, Portugal conseguiu um desenvolvimento educativo que surge de um esforço global para mudar o estatuto socioeconómico da população como um todo.

A partir do 25 abril Portugal universalizou a educação, com a tentativa de integrar todos os meninos em idade escolar em estabelecimentos de ensino. Esta realidade faz com que surjam agora novas gerações com pais escolarizados, o que faz toda a diferença na maneira de educar os filhos e também nas expetativas no que se refere à sua formação académica.

No período mais recente, o número de mães que entre 2003 e 2015 completaram o ensino secundário subiu 41%. Outro aspeto positivo relaciona-se com a primeira infância: a mortalidade infantil caiu 94% desde 1970, de acordo com a UNICEF.

A perceção geral é que as instituições educativas portuguesas estão bem estruturadas, com foco no desempenho dos alunos, existindo espaço para o debate e uma boa planificação das aulas.

No que respeita aos professores, a preocupação relaciona-se com o envelhecimento destes profissionais. De acordo com a OCDE, apenas 1% dos professores do ensino básico e secundário têm menos de 30 anos e 38% têm 50 anos ou mais.



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.