Notícias

Investigação universitária: Grafeno, o material do futuro

      
O grafeno é o cristal mais fino conhecido pelo ser humano
O grafeno é o cristal mais fino conhecido pelo ser humano
  • O grafeno é um cristal atómico bidimensional, muito versátil e com muitas aplicações práticas.
  • É o cristal mais fino conhecido pelo ser humano, com um átomo de espessura – cerca de um milhão de vezes menor do que um milímetro.
  • A Universidade do Minho é a única instituição de ensino superior representada no Graphene Flagship.

Graphene Flagship é um projeto científico de tecnologia emergente apoiado pela Comissão Europeia que se dedica ao grafeno e, mais recentemente, a outras formas de materiais bidimensionais.

Esta investigação representa a vanguarda da investigação colaborativa, formada por três consórcios científicos da Europa, sendo que a Universidade do Minho é a única instituição de ensino superior portuguesa representada.

Recentemente, a Graphenest, uma empresa portuguesa dedicada à produção de grafeno em larga escala associou-se à universidade para ajudar a desenvolver um projeto baseado nas tintas condutoras e de polímeros com blindagem electromagnética, tecnologias baseadas em grafeno.

Nuno Peres, professor catedrático da Escola de Ciências da Universidade do Minho tem coordenado os trabalhos de investigação de modelação teórica das propriedades eletromagnéticas de grafeno e outros materiais bidimensionais.

Mas o que é afinal o grafeno?

"Em termos simples, o grafeno é um cristal atómico bidimensional, composto por átomos de carbono dispostos numa rede hexagonal. Devido à sua combinação única de propriedades diversas, é um material com elevado potencial para novas tecnologias. Pode ser pensado como uma molécula gigante (na visão do químico Linus Pauling) que está disponível para uma ampla variedade de aplicações, desde a eletrónica até aos materiais compósitos", pode ler-se no Jornal Online da Universidade do Minho. 

Gostava de tirar um curso científico?

Procure na Universia

É o cristal mais fino conhecido pelo ser humano, com um átomo de espessura – cerca de um milhão de vezes menor do que um milímetro – constituindo-se como o melhor condutor térmico conhecido, cerca de dez vezes maior do que a do cobre.

O grafeno pode ser usado na próxima geração de têxteis inteligentes e abrir caminhos para novos instrumentos de diagnóstico e formas de tratamento, como novos biossensores e administração de fármacos. É um material versátil que promete revolucionar muitas áreas da sociedade. 

O Graphene Flagship, que reúne mais de 150 grupos de pesquisa em 23 países, associa a ciência dos investigadores com o desenvolvimento operado na indústria, tendo em vista levar o grafeno das investigações académicas até utilizações práticas na sociedade no prazo de dez anos.

"Este projeto tem a expectativa de gerar crescimento económico, novos empregos e novas oportunidades de mercado. De certo modo já o está a fazer, com a abertura de ofertas de empregos académicos e industriais ligados à produção, investigação e aplicação do grafeno", pode ainda ler-se no artigo da Universidade do Minho. 

Que tecnologias estão a revolucionar a educação superior?

Infografia - Que tecnologias estão a revolucionar a educação superior?

As novas tendências tecnológicas na educação estão a revolucionar o modo de ensinar e também aprender. Atualmente os estudantes assumem um papel cada vez mais interativo.

 

Inscreva-se e receba este infográfico gratuitamente



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.