Thursday :: 23 / 10 / 2014

AdemásRSS | Classificados Universia | Notícias | Registo | Tradutor | Miríada XMAPA DEL SITIO

Noticia : Empreendedorismo

Os segredos para ser um empreendedor de sucesso

Os quatro vencedores da competição de empreendedorismo ISCTE-MIT Venture Competition desvendam a receita do seu sucesso.


ImprimirImprimirEnviar a un amigo EnviarPDFPDF

Foto: Gabriela Fabri

Foto: Gabriela Fabri

Empreendedorismo é muito mais que ter uma ideia. É, sim, levar uma ideia à realidade, com todos os problemas, adversidades, alegrias e tristezas que dai vêm. A dica que daria é que para fazerem têm de aprender que falhar não é mais do que ‘feedback'". É esta a visão de Pedro Santos, um dos empresários por trás do All-Desk, um dos projectos vencedores na segunda edição do concurso de inovação e empreendedorismo de base tecnológica ISCTE-IUL MIT-Portugal Venture Competition, realizado em parceria com o MIT (Massachusetts Institute of Technology), o Deshpande Center for Innovation, a Sloan Business School e a Caixa Empreender+, que decorreu no ISCTE-IUL.

» Siga o Universia Portugal no Twitter

» Seja Fã do Universia Portugal no Facebook


Em paralelo com a entrega dos prémios, o evento procurou trazer ao palco casos de sucesso, nacional e internacional, no complexo e implacável mundo do empreendedorismo. Foi esse o caso de António Murta, fundador da sociedade de investimentos Pathena, homem com um passado que o levou desde as grandes empresas à criação dos seus próprios projectos. "Com a crise global, a inovação não é uma opção, é uma obrigação", defende o empreendedor, que aponta aquela que considera ser ainda uma das grandes falhas na realidade portuguesa. "No MIT, a distância entre o mundo académico e os investidores é de apenas uma estrada. Um lado e outro. É isso que falta ainda em Portugal. É isso que temos de mudar", defende.

As universidades de ciência e tecnologia têm uma capacidade inigualável para mudar o mundo, para melhorar a economia local onde estão inseridos, defende Edward Roberts. O director do MIT Entrepreneurship Center aconselhou Portugal também a não tentar copiar outros modelos de fora. "Portugal não tem uma rede de capital de risco tão forte, pelo que os empreendedores devem apostar também nos governos e nas próprias universidades como fontes de financiamento", aponta.

Apesar de ainda termos um longo caminho a percorrer, a grande mensagem passada no evento foi, no entanto, que há lugar a uma boa dose de esperança. "É verdade que eu sou um optimista por natureza, mas acho que estamos na direcção certa", afirma Luís Reto, reitor do ISCTE-IUL. "Há dez anos, isto seria completamente impossível. Tínhamos muito pouco ‘know-how', quer ao nível da gestão de negócios, quer de tecnologias. Portugal deu um salto enorme. Só aqui já formámos mais de 15 mil pessoas com pós-graduações em gestão".

Uma variedade de boas ideias


De soluções para cozinhar, utilizando a luz solar, a inovadoras tecnologias para ajudar pessoas com problemas de mobilidade. De instrumentos de diagnóstico médico a uma aplicação de iPhone para amantes de golfe. A variedade foi a regra nas 20 propostas semi-finalistas da competição de empreendedorismo, das quais apenas quatro saíram galardoadas, cada uma, com os 100 mil euros do prémio final.

Foi esse o caso com a MediaOmics, que nasceu com o propósito de tentar revolver o problema da baixa produtividade na produção de bioterapêuticos. Para Rui Oliveira, um dos responsáveis pelo projecto, é fundamental compreender o risco associado a qualquer tentativa de rentabilizar uma solução inovadora. "Por isso, nesta fase do nosso projecto, estamos a tentar, na medida do possível, mitigar alguns desses riscos até um nível que seja aceitável para nós e para potenciais investidores", explica o empreendedor, que não deixa de salientar a importância de ter um "plano B, já que na maioria dos casos, apesar de todos os cuidados, há sempre surpresas".

É preciso ter "perseverança e acreditar no produto, independentemente dos obstáculos que encontrem", defende Carlos Rosário, da IsGreen, que saiu vencedora na competição com a sua GreenLamp C&C, um sistema inteligente de iluminação que monitoriza a quantidade de luz necessária para cada espaço, conforme esteja ou não a ser utilizado e a entrada de luz natural. Para o responsável da empresa, embora o reconhecimento pela equipa do MIT e pelo júri da competição seja uma vitória só por si, "a visibilidade do ISCTE /MIT Venture Competition é, também, um benefício tanto ao nível de acesso a clientes como a nível de abertura de mercados externos".

Essa intenção de abertura ao mercado global vive naturalmente nos projectos fundados nas possibilidades da Internet. Projectos como o Musikki, um motor de busca musical que procura reunir automaticamente numa só página toda a informação sobre uma qualquer banda ou música que pesquisemos. Ainda a dar os primeiros passos no mundo do empreendedorismo, os responsáveis do projecto já têm, no entanto, uma ideia das dificuldades que o esperam. "Embora ainda tenhamos pouca experiência e um longo caminho pela frente, parece-nos imprescindível uma boa dose de persistência, um pouco de loucura e uma equipa que trabalhe na mesma frequência de onda", defende João Afonso.

Projectos Vencedores

MediaOmics

Resolver o problema da baixa produtividade na produção de bioterapêuticos é o grande objectivo da MediaOmics, vencedora na categoria de "Life Sciences" e constituída por Rui Oliveira, António Dinis, João Dias, Nuno Carinhas, Filipe Ataíde e Ana Ferreira. "A nossa solução baseia-se numa plataforma proprietária que utilizamos para desenvolver meios de cultura de alta performance que permitem aumentar a produtividade na produção de bioterapêuticos de forma significativa", explica Rui Oliveira. "O nosso objectivo é vender meios de cultura e prestar serviços de desenvolvimento à medida à indústria farmacêutica". Terminada a fase de protótipo, a equipa está a iniciar agora a fase final do desenvolvimento do seu primeiro produto, que deverá estar concluída no 2º trimestre de 2012.

GreenLamp

"A GreenLamp Comando & Controlo é um sistema inteligente de iluminação para todo o tipo de lâmpada, que monitoriza as condições locais de ocupação e luz natural, variando em contínuo a luz fornecida na quantidade necessária, onde e quando precisa", descreve Carlos Rosário, que, em conjunto com Jaime Sotto-Mayor, forma a IsGreen, equipa que ganhou, o projecto GreenLamp, na categoria de "Sustainable Energy & Transportation Systems". A GreenLamp já passou a fase de projecto e é já um produto em comercialização, por exemplo, no novo hospital da Guarda ou em escolas em Espanha, Itália, Roménia e Bulgária. A IsGreen vai alargar a sua comercialização a nível Ibérico até ao final do ano, com o norte da Europa e posteriormente os Estados Unidos em 2012.

All-Desk

O conceito por trás do projecto All-Desk, vencedor na categoria de "IT & Web", partiu do objectivo de conseguir uma maior flexibilidade no local de trabalho e rentabilizar espaços subutilizados. "Por exemplo, uma empresa de design localizada no centro de Lisboa que tem duas ou três secretárias livres, pode ter pessoas a alugar essas mesas para trabalhar. O objectivo é que os trabalhadores achem o sítio mais conveniente para eles naquele momento, enquanto que empresas ganham uma forma de rentabilizar os seus espaços",aponta Pedro Santos, um dos responsáveis do projecto, juntamente com Marco Abreu, Fernando Mendes, Rui Aires e Pedro Magalhães. O All-Desk encontra-se, de momento, a correr em fase "beta", mas em comercialização, sendo já possivel alugar mesas em vários pontos do país. Está para breve o início do processo de expansão da rede internacionalmente.

Musikki

O Musikki é um motor de busca musical. A essência do seu método de funcionamento não deve ser confundida, no entanto, com o do Google. "Os resultados de uma pesquisa no Musikki não são vários links para diferentes locais", revela João Afonso, que, com Juliana Teixeira e Pedro Almeida, forma a equipa por trás do projecto que saiu vencedor na categoria de "Products & Services". "Os dados são recolhidos, estruturados e apresentados ao utilizador numa única página de resultado. Com apenas um clique, o utilizador obtém, entre outros conteúdos, a biografia, discografia, vídeos, fotografias e agenda de concertos, criando um perfil dinâmico do músico ou banda", aponta. O projecto (activo na página www.musikki.com) encontra-se de momento em fase "beta", estando a equipa do Musikki a trabalhar numa nova versão, enquanto continua a reunir investimento.






RSS   


Comentarios para esta noticia

 

Publicidad