text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Especial

Entrevista Universia a Carlos Neves, presidente da AJDP

      

De acordo com os dados do Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes 2013, a prevalência da diabetes tipo 1, em Portugal, tem vindo a aumentar, atingindo 3 200 indivíduos até os 19 anos. Por sua vez, a diabetes tipo 2 é mais predominante no nosso país, muitas vezes associada à  obesidade:  uma pessoa obesa apresenta um risco três vezes superior de desenvolver diabetes do que uma pessoa com um peso considerado normal.

 

Para um jovem com diabetes tipo 1 (condição auto-imune e não prevenível) viver uma vida saudável, com atenção à alimentação, é essencial para que tenha um bom controlo metabólico. A crescente vulgarização e consequente aumento da variedade de produtos com menos açúcares rápidos garante que os jovens com diabetes não prescindam de uma alimentação variadas e rica em sabores, ainda que tenham que ter especial atenção aos rótulos.

 

Por outro lado, a diabetes tipo 2 começa a aparecer cada vez mais nas faixas etárias mais jovens. Muitas vezes associada ao excesso de peso, que na maioria dos casos está estreitamente ligado a uma alimentação desajustada e à ausência de prática desportiva. De acordo com um estudo publicado sobre a prevalência de sobrepeso e obesidade, em Portugal uma em cada três crianças tem excesso de peso ou obesidade infantil e perante estes dados assustadores, é urgente alertar os jovens para a importância de manutenção de estilos de vida saudáveis.

Existem no entanto alguns mitos associados à diabetes que necessitam de ser esclarecidos junto da população em geral, dos jovens com diabetes e, particularmente dos familiares, para que encetem as mudanças de hábitos necessárias para garantir a qualidade de vida da criança.

 

Sendo a alimentação uma parte integrante no dia-a-dia da pessoa que vive com a diabetes, existem comportamentos alimentares a evitar e outros a privilegiar, de forma a manter a diabetes sob controlo e os níveis de glicose no sangue estáveis. Para além da toma da medicação adequada e da realização de actividade física, a alimentação saudável é um fator chave neste controlo. Devidamente tratada, a diabetes (tipo 1 e 2) não impede o doente de ter uma vida perfeitamente normal e autónoma. Contudo, é fundamental que o diabético vá estando atento, autocontrolando a sua doença.

Para aprofundar um pouco mais este tema tão atual, o Universia Portugal entrevistou Carlos Neves, presidente da AJDP.

Continue a ler este relatório



Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.