text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

EPIS lança um novo formato de estágios profissionais de curta duração para jovens do 9.º ano

      
epis

Este verão a Associação EPIS – Empresários Pela Inclusão Social vai proporcionar a 50 jovens experiências profissionais em mais de 15 empresas e instituições, com o objetivo de promover as vocações e as profissões.

Os ateliês vocacionais EPIS, assim se designa a iniciativa, funcionarão como “batismos profissionais” de curta duração (entre 1 e 3 dias) em que pequenos grupos de jovens são “mergulhados e iniciados” no funcionamento de uma empresa, com o objetivo de confirmar as vocações previamente auscultadas destes jovens.

O seu percurso será acompanhado por mentores do projeto “Vocações de Futuro”, voluntários dos quadros das empresas associadas e parceiras da EPIS que, ao longo do ano, procuram contribuir para o sucesso escolar e pessoal dos jovens EPIS.

“Com este novo formato, a EPIS deseja apontar um caminho inovador no sentido de promover o “apetite” das empresas para receberem, por períodos curtos, jovens em carreira escolar, sobretudo os mais carenciados, de modo a ajudá-los a descobrirem as suas vocações pessoais e profissionais, potenciando a sua motivação para os estudos”, sublinha Luís Palha, Presidente da Direção da EPIS.

A semana de trabalho terá início no dia 30 de junho na Fundação Calouste Gulbenkian, decorrendo da parte da tarde (15h00) a academia IEFP dedicada às melhores práticas a adotar em ambiente profissional.

Nos dias 1, 2 e 3 de julho os 50 jovens serão integrados, em grupos mais reduzidos, em contexto de trabalho em diferentes empresas: Altran, Ascendum, Cimpor, Chapitô, CTT, Dia, Jerónimo Martins, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Fundação Benfica, Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Sic, Sovena.

A experiência dos ateliês vocacionais culminará no dia 4 de julho com uma visita à Câmara Municipal de Lisboa e a receção aos alunos pelo Presidente da República. “A missão de uma Associação como a EPIS tem de começar na escola, mas não se pode esgotar aqui. Deve permitir um acompanhamento longitudinal ao longo das diversas etapas do seu desenvolvimento, incluindo a sua orientação, formação e inserção profissional.

Os ateliês vocacionais representam um aperfeiçoamento do conceito iniciado em 2011 com a Rota das Vocações de Futuro, permitindo que os jovens fiquem mais tempo numa empresa para a conhecerem com maior detalhe”, acrescenta.

Com o objetivo de ajudar os jovens a pensar num futuro profissional, dando a conhecer bons exemplos de pessoas, empresas e carreiras, a EPIS desenvolve, desde 2011, programas de voluntariado com empresas Associadas e Parceiras, proporcionando diversas experiências que permitem o contacto com o mundo empresarial.


    Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.