text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Avaliações nacionais de aprendizagem auxiliaram a melhoria da qualidade da educação

      
Fonte: Shutterstock
Fonte: Shutterstock

No ano 2000, a Unesco(Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) promoveu o Fórum Mundial de Dakar, no Senegal, evento que reuniu 164 países para discutir os rumos e metas que deveriam ser tomados para melhorar a educação no mundo até 2015, no documento conhecido como Marco de Ação de Dakar, Educação para Todos: Cumprindo os nossos Compromissos Coletivos. Através de dados fornecidos por estas nações, foi possível comparar os progressos, o que gerou o Relatório de Monitorização Global de Educação para Todos 2015, documento divulgado pela entidade esta quarta-feira (8).

 

Leia também:
» Impacto na educação superior na sociedade: inclusão social, formação docente e tecnologias da informação
» Progressos na educação global são analisados pelo novo relatório da Unesco
» Infográfico: Big Data e ensino adaptativo são mudanças previstas na educação mundial até 2020

 

A última das seis metas, a qualidade da educação, teve resultados interessantes nestes 15 anos. Uma das maiores descobertas foi o facto da ampliação do acesso não significar uma melhoria automática na qualidade da educação, no entanto, é possível conciliar os dois fatores e expandir o número de vagas e níveis de aprendizagem.

 

De acordo com o relatório, um dos fatores determinantes para a melhoria da educação foi o aumento da quantidade de avaliações nacionais de aprendizagem. Entre 2000 e 20013, 1.167 avaliações deste tipo foram aplicadas, frente a 283 na década de 1990. Tal crescimento é importante pois fornece mais dados que permitem que as nações façam os investimentos necessários e de forma mais eficaz, como a remodelação de materiais didáticos e o direcionamento de verbas para áreas mais necessitadas.

 

No entanto, os desafios ainda são enormes, principalmente no que diz respeito aos professores. A disparidade entre taxas alunos/professor na educação primária apresentou uma queda significativa no período referido, no qual 121dos 146 países conseguiram reduzir o número de alunos para cada professor. A Europa e a América do Norte apresentam os melhores resultados, com 1 professorpara cada 14 alunos. No entanto, na África Subsaariana a situação ainda é grave: a média de alunos por professor chega a 42 alunos. Quando a comparação é feita em relação a professores formados, o abismo é ainda maior: 55 estudantes para cada mestre. Na América Latina, a mesma taxa corresponde a 23 alunos.

 

Ao todo, para equilibrar o deficit de professores, seriam necessários 4 milhões de formadores, 63% deles na África Subsaariana. Outro dado preocupante foi o baixo número de professores primários qualificados em várias regiões. O local mais preocupante é a Guiné-Bissau, onde apenas 39% dos mestres desta faixa de ensino atendem aos requisitos necessários. Ainda na África Subsaariana, a distribuição dos professores é muito irregular, sendo que as escolas particulares chegam a ter até 30 alunos a menos para cada professor que as públicas.

 

Para suprir essa lacuna, segundo o documento, os governos devem apostar na valorização do professor, melhorando salários e criando planos de carreira. Já a contratação de professores temporários mostra-se eficaz apenas em locais onde a comunidade é mais participativa, caso contrário, como estes mestres tendem a ter um nível inferior de instrução, os impactos na educação podem ser negativos, como observado no Níger e no Togo.

 

Embora sejam fundamentais, não são apenas os professores que melhoram a qualidade da educação. O fornecimento dos materiais didáticos, a boa estrutura das salas de aula (como saneamento e manutenção) e o tempo que os alunos passam na escola influenciam determinantemente o desempenho. Neste último critério, houve uma degradação global na última década: nas escolas primárias, os estudantes passam, em média, menos de 1000 horas anuais. O recomendado pela UNESCO é entre 850 e 1000 horas.

 

O relatório aponta que, no que diz respeito às práticas pedagógicas, os governos devem estimular quatro fatores: “um currículo relevante e inclusivo, uma abordagem pedagógica apropriada e eficaz, o uso da língua materna das crianças e o uso das tecnologias apropriadas.”

 

Neste último ponto, os smartphonessão vistos como tendo um grande potencial para a educação, por superarem barreiras tecnológicas e de estrutura, por conterem as mesmas funções que os computadores, representando no entanto um menor investimento em infraestruturas.

 

Leia todas as notícias de Educação. Comente e compartilhe abaixo

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.