text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Alojamento universitário: Guia para alugar um apartamento em Portugal

      
alugar apartamento
Para além das tradicionais ofertas junto das mediadoras, atualmente existem vários sites que podem ajudar na procura de alojamento  |  Fonte: iStock

Não é novidade para quem vai entrar pela primeira vez na universidade ou em busca do primeiro emprego numa nova cidade que a procura de um local para morar se pode revelar uma verdadeira dor de cabeça. A par do preço do quarto ou do apartamento, é preciso ter em consideração outras variáveis como o custo dos transportes até à universidade ou ao local de trabalho, as despesas fixas, e a qualidade de vida, por exemplo. 


Guia para alugar um apartamento em Portugal:

  1. Onde encontrar alojamento?
    - Residências universitárias 101
    - Apoiar um idoso
    - Lisbonrooms
  2. Quanto custa alugar um apartamento ou um quarto em Portugal?
  3. Como começar
  4. Top 5 sites onde encontrar casa ou quarto para  arrendar


Existem, antes de mais nada, 3 opções a ter em mente: 


  • A primeira, é ter tempo disponível e um espírito de pesquisa feito de aço - porque só assim vai descobrir os bons negócios que escapam à normatividade dos preços para alugar um apartamento (ou um quarto) na capital ou na cidade Invicta. 


  • A segunda, são as residências universitárias - uma opção económica por excelência, mas onde as vagas são muito limitadas. 


  • Por último, vale muito a pena lembrar que existe a possibilidade de os alunos universitários poderem ficar alojados em casa de pessoas séniores pela quantia simbólica de 25€ em troca de companhia e algum apoio, por exemplo através do Programa Aconchego.


Como começar

O primeiro passo é avaliar qual o orçamento para fazer frente a esta despesa e estabelecer um limite financeiro que não deverá ultrapassar. Para além do preço do quarto ou do imóvel, existem aspetos relacionados com a qualidade de vida que devem ser considerados na equação, assim como a questão fundamental da acessibilidade à universidade. Estas são as perguntas que se deverá colocar:


  • O lugar onde vai morar tem privacidade?

  • Está disposto a dividir o espaço com outro estudante? 

  • Qual é o valor máximo que tem disponível para pagar por um alojamento? 

  • As despesas fixas (água, luz, gás, net) estão incluídas no preço?

  • O tempo e encargos de transporte que vai despender no percurso casa-faculdade são compensadores?


Quanto custa alugar um apartamento ou um quarto em Portugal?

Segundo o último estudo disponibilizado pelo INE em maio de 2018 e relativo aos 4 trimestres de 2017 relatado pelo jornal Público, em Portugal, alugar um apartamento com 100 metros quadrados irá comportar uma despesa de cerca de 470 euros de renda. 


Se nos focarmos em Lisboa, este número praticamente duplica para cerca de 940 euros de renda por 100 metros quadrados. E se a este valor adicionarmos 100 euros de despesas fixas, facilmente se  ultrapassa os 1000 euros em alojamento mensal para a capital.


Já na opção dos quartos, o estudo anual de arrendamento de quartos em Portugal realizado pelo Idealista em 2018 relata que o preço médio para arrendar um quarto em Portugal situava-se nos 254 euros por mês. Um valor que disparou 6,7% face ao período homólogo de 2017. Porém, em 2019, ainda que estes valores tenham verificado um aumento de 5,6% no 2º trimestre, é a confirmação do abrandamento da subida de rendas em Lisboa, tendo este fenómeno conhecido o seu pico no 2º trimestre de 2017, quando se registou um aumento de 21,9%.


Arrendar um quarto em Lisboa, o distrito mais caro, ronda os 336 euros por mês. Segue-se o Porto onde o valor ronda os 287 euros por mês, depois Setúbal com 270 euros mensais e Braga com 216 euros por mês. Os distritos mais económicos para arrendar um quarto são Santarém (180 euros), Leiria (200 euros) e Coimbra (210 euros). 


Um estudo recente indica que em Lisboa “o preço médio de arrendamento de quarto em casa partilhada em Marvila é de 275 euros, enquanto no Chiado esse valor aumenta substancialmente, para uma média de 592 euros”. Já no Porto estes preços baixam, mas mantém-se esta diferença entre encontrar casa no centro da cidade ou nas suas periferias.


As más notícias - vai sempre ter de “sacar dos cordões à bolsa”

Às vezes as más notícias têm que ser dadas assim, como um penso rápido. Porque é de facto o principal problema que muitos estudantes apontam de pagar 400 euros por um quarto em Lisboa - por vezes sem uma janela ou despesas incluídas - que leva estes jovens universitários a procurarem alternativas na periferia, frequentemente abdicando de uma generosa fatia do seu  bem-estar.


A verdade é que estes preços são praticados em grande parte devido à ausência de regulamentação que se observa ao nível da legislação que proteja os estudantes da afluência turística. Uma discrepância incompreensível entre a atualização das rendas de contratos feitos em mil nove e troca o passo - onde alguém que não seja o beneficiário direto possa estar a pagar até um máximo 388 euros por um apartamento de 1600 euros vitaliciamente - e que depois são “equilibradas” com a inobservância de limites ou medidas preventivas no que diz respeito aos preços de aluguer de quartos e casas para os cidadãos em início de vida profissional, sendo estes deixados entregues aos “lobos” na selva urbana.

As boas notícias - existe a possibilidade de se surpreender pela positiva

Em termos práticos, o fundamental é começar a procurar quarto com 2 a 3 meses de antecedência, porque desta forma, ainda que fique a pagar cerca de 330 euros por um quarto no centro de Lisboa que será mais ou menos o expectável, pelo menos já será um quarto com janela, um preço que inclui despesas fixas, uma circunstância que previne as más-supresas à última da hora, e eventualmente a sorte de encontrar um quarto com varanda, ou até vista para o rio.


Se tiver mesmo muita sorte, não é impossível encontrar um quarto decente no centro de Lisboa com contas incluídas por cerca de 280 euros - mas não é fácil e requer um processo diário de pesquisa orientada.

Onde encontrar alojamento?


Residência universitária: sim ou não?

Esta é uma das opções mais económicas, mas nem todos os estudantes poderão usufruir a esta benesse. Em primeiro lugar, deverá apresentar a candidatura nos serviços de Ação Social. Tenha em conta que renda a pagar vai depender dos rendimentos do agregado familiar. Porém, dado que a procura é muito elevada no caso das residências universitárias, em média em Portugal as vagas para este tipo de alojamento representam apenas 13% dos estudantes. A maioria das residências universitárias acabam por só conseguir receber bolseiros ou estudantes de intercâmbio internacional.

Residências universitárias públicas

As residências universitárias públicas são geridas pelas instituições de ensino e apresentam os preços mais vantajosos, principalmente para alunos bolseiros. No entanto, é extremamente difícil conseguir uma vaga nestas residências pois a quantidade de camas disponíveis é muito reduzida quando comparada ao número de estudantes que ingressam no ensino superior. A prioridade é dada aos alunos bolseiros. Além das residências para estudantes também existem residências universitárias com oferta para pessoal docente, investigadores do quadro e bolseiros de investigação.

Residências universitárias privadas

Além das residências universitárias pertencentes à rede de alojamento do estado também temos oferta privada. Apesar de não serem tão em conta quanto as públicas, a verdade é que estas residências universitárias acabam por ter um custo mais baixo do que alugar um apartamento. Normalmente estas residências também têm espaços privados e de convívio, sendo uma forma de criar novos contactos sociais.

O que está incluído?

Na maioria das residências o valor mensal já inclui as contas referentes à electricidade, água, gás, internet e serviços de limpeza. Também existem serviços de lavandaria que podem ser utilizados pelos estudantes ou gratuitamente ou por um valor mais baixo que as lavandarias self-service. Algumas residências incluem a roupa de cama e de banho, e respectivas mudanças, enquanto noutras o estudante é responsável por trazer a roupa de casa.


Dependendo do tamanho da residência, os espaços de convívio podem ir desde apenas uma cozinha ou kitchenette com espaço para refeições, até à existência de salas de refeições separadas, espaços abertos como pátios ou jardins interiores, varandas e terraços. Algumas residências separam as áreas de estudo de lazer, podendo haver uma sala de estudo distinta da sala de refeições.


Tipos de alojamento

A maioria das residências tem uma grande oferta de quartos partilhados, normalmente entre dois estudantes. Ainda assim, é possível que hajam residências universitárias com quartos individuais. Obviamente, um quarto partilhado tem sempre um custo inferior mas também tem menor privacidade e autonomia. Por exemplo, não poderão fazer noitadas de estudo.


Para além dos quartos, existem também opções mais semelhantes a apartamentos ou estúdios, que normalmente se adequam mais a bolseiros de investigação, investigadores ou docentes. Neste caso, há um número mais reduzido de quartos e os apartamentos podem estar equipados com salas de estar, cozinhas e acesso directo à rua. Estes apartamentos ou estúdios costumam ter um valor mais elevado, ainda que inferior aos apartamentos. O seu preço inclui os mesmos serviços que os quartos partilhados.


Regulamentos

Viver em harmonia numa casa ou apartamento partilhado é difícil, conforme o número de pessoas vai aumentando a probabilidade de haver atritos é ainda maior. Por este motivo, a maioria das residências universitárias têm regulamentos próprios. Nestes regulamentos estão descritos todos os direitos dos residentes e também as regras de utilização dos espaços comuns, desde os quartos partilhados às salas de estudo.


A exceção das Repúblicas Universitárias

As repúblicas universitárias são residências universitárias geridas pelos próprios estudantes. Em Coimbra existem 28 repúblicas, pois é a cidade onde esta tradição tem mais expressão. Nestas repúblicas o valor da renda mensal é muito reduzido, no passado chegou a ser mesmo um valor meramente simbólico. Viver numa república é uma experiência muito diferente e segundo os ditados populares, cada ano numa república corresponde a cem anos de vida.


Vantagens das residências universitárias

Aprender a Dividir o Espaço com Outros Estudantes

  • Os espaços comuns (cozinha, sala de estar ou casa de banho), são para ser mantidos limpos e organizados por todos os residentes.


  • As festas fazem parte deste percurso, mas deve-se zelar que sejam feitas em momentos sobre os quais todos os residentes não se oponham – e que terminem com a limpeza do espaço.


  • Não se deverá fazer barulho a partir de uma dada hora, principalmente quando são épocas de exames e toda a gente precisa de paz para estudar.


  • Para garantir uma boa relação com os colegas de casa, aprenda a ceder em alguns momentos (como quando alguém lhe pedir algum alimento para cozinhar), mas saiba também estabelecer limites em relação a estas cedências.


Quanto posso poupar?

Dependendo do tipo de Residência Universitária a poupança relativa ao custo que teria com a renda poderá ser mesmo de 100% no caso de alunos bolseiros com vaga em residência universitária pública. 


Serviços incluídos

As residências universitárias têm serviços incluídos como limpezas, lavandaria e nalgumas residências existem mesmo cantinas. Quando não existem cantinas, os estudantes também se podem organizar e cozinhar em conjunto. Isto permite diminuir o custo na alimentação e também diminuir a probabilidade de se alimentarem pior por falta de vontade de cozinhar. Essencialmente, numa residência universitária terá acesso a tudo o que necessita para fazer a vida diária.


Localização

A maioria das residências universitárias encontra-se perto dos campus universitários ou pelo menos em zonas bem servidas de transportes públicos. Nalguns casos as universidades permitem que se desloque a pé e consiga chegar à Universidade em 15 ou 20 minutos.


Ambiente estudantil

Como estão inseridos num ambiente estudantil será mais fácil ter a motivação necessária para estudar e ir às aulas, o que permite melhorar a sua performance como estudante. Podem organizar-se com colegas para fazerem grupos de estudos, seja para as mesmas disciplinas ou para disciplinas distintas.


No caso dos alunos dos mesmos cursos podem também entre ajudar-se nas disciplinas em que têm mais dificuldades. Para além disso, aumenta a possibilidade de se cruzarem com estudantes dos mesmos cursos mas de anos seguintes e que tenham material de estudo que possam emprestar, como livros ou sebentas.


Criar uma rede de contatos

Como irão viver com outros estudantes e de cursos distintos, os estudantes que vivam em residências universitárias irão criar uma rede de contatos diversificada. Criar uma rede de contatos é uma coisa importante, uma vez que muitas vezes conseguimos oportunidades de emprego a partir das pessoas que conhecemos. Seja por nos referenciarem nos locais onde trabalham ou simplesmente por partilharem informação.


Obviamente, além das vantagens financeiras as residências universitárias ainda tem a vantagem de serem locais com espaços comuns que fomentam o convívio entre estudantes. E uma boa oportunidade para conhecermos colegas das nossas áreas de estudo e sobretudo, de outras áreas de estudo. Existem residências universitárias mistas e unisexo.


Outras opções de para arrendar um quarto em Portugal


Apoiar um idoso em troca de alojamento

Existem idosos que oferecem um espaço em sua casa a preços mais reduzidos em troca de companhia e algum apoio que seja necessário, como compra de medicamentos ou acompanhamento a consultas médicas, entre outras tarefas. Estes programas estão por vezes associados às próprias universidades, onde os idosos deixam a sua candidatura. Porto, Aveiro, Coimbra e Leiria são algumas das cidades que disponibilizam estes serviços. É possível pedir informações na associação de estudantes ou perguntar na secretaria da universidade sobre esta hipótese para receber alguma orientação.


Lisbonrooms

Lisboa tem uma alternativa para o alojamento de estudantes universitários ou jovens que pretendam residir em Lisboa apenas por períodos sazonais, quer seja para efectuarem um curso, um mestrado ou simplesmente para visitar a cidade à beira rio.


Gestora da unidade, visionária e precursora, Adília Maria, refere que "os jovens de hoje querem alternativas, pretendem um local como se estivessem em sua casa". 


Ficar hospedado na Residência Elias Garcia não tem semelhanças com o alojamento num hotel, os apartamentos são totalmente disponíveis para os hóspedes, com acesso a internet WiFi, existem casas de banho, sala e cozinha comuns os quais são utilizados por todos, gerando-se assim um ambiente familiar e uma saudável convivência entre todos.


"Como lidava muito com os jovens que me perguntavam onde ficar em Lisboa?..." refere Adília, "...arranjei um apartamento e criei o site Lisbonrooms.com."


Em pleno centro de Lisboa, na Avenida Elias Garcia 120, junto ao Campo Pequeno e Saldanha, localizada num edifício antigo com escritórios e outras habitações, a entrada confunde-se como se se tratasse de um habitual apartamento do prédio, simples e sem distinções, o que faz parte do conceito: "queremos que os jovens se sintam parte da cidade... não são turistas...".


O apartamento mantém o seu traço original, com pé direito alto e chão em madeira corrida, no interior, a decoração é simples e sóbria, o verde predomina, tornando o ambiente moderno e sereno.


Os quartos, simples, duplos ou de casal, têm todos áreas diferentes, com cama, armário, escrivaninha e acesso a internet WiFi.


Respondendo às necessidades dos jovens, o conceito evoluiu e teve que ser ampliado, outros apartamentos também centralmente localizados ou junto a universidades, foram modificados e estruturados para o aluguer de quartos e alojamento universitário em Lisboa.


Indo ao encontro dessas necessidades, os preços variam entre os 285 euros e 395 euros por quarto, e sendo que aqui o segredo que torna o Lisbonrooms tão popular é o ambiente comunitário em que se vive. É mesmo ver para crer. 


Também para grupos, empresas e clientes que venham a Lisboa efectuarem MBA ou mestrados, também podem ser feitas parcerias e negociados preços especiais de acordo com cada situação. As reservas podem ser efectuadas no site Lisbonrooms.com ou através dos vários portais com quem a Lisbonrooms estabeleceu parcerias.

Top 5 sites de arrendamento onde encontrar casa ou quarto para  alugar

Para o ajudar nesta etapa, deixamos aqui alguns dos sites mais utilizados pelos estudantes para encontrar casa em qualquer zona do país:


  • Beroomers 

Com sede em Valência, o site da Beroomers foi lançado em português para ajudar os jovens a encontrar alojamento em diferentes cidades como Lisboa, Barcelona, Madrid, Londres, Berlim, entre muitas outras. É o portal perfeito para os estudantes universitários que estão à procura de casa em cidades capitais europeias.


  • 1quarto.com


O site 1quarto.com visa disponibilizar um serviço e procura de alojamento para os estudantes universitários deslocados da sua residência habitual. Através deste site é possível pesquisar e anunciar ofertas de alojamento na sua área ou região.


  • EasyQuarto


Seja para estudantes portugueses ou para estrangeiros que optem por vir estudar em terras lusas, o site EasyQuarto ajuda na missão de encontrar um alojamento para estudantes na localidade escolhida. Fácil de navegar e intuitivo na altura de se inscrever para alugar um apartamento, quarto ou mesmo achar um inquilino com quem possas dividir o espaço e custos, este site é uma ferramenta útil para qualquer estudante.


  • Students Corner


Com a grande vantagem de ter os seus próprios apartamentos para estudantes, situados principalmente junto das universidades de referência, a Students Corner é uma plataforma dirigida especialmente para os estudantes que escolheram Lisboa para começarem a sua vida universitária. Permite para além de alugar quarto ter um serviço completo de limpeza onde são trocadas desde as toalhas à roupa da cama duas vezes por semana.


  • Uniplaces


A Uniplaces foi criada pela necessidade de quatro jovens que passaram pela experiência de terem de estudar fora e precisaram encontrar casa. Com uma vertente internacional, esta plataforma tem associados acima de 250 000 estudantes no seu portefólio além de milhares de casas.


Decidir onde morar na altura de frequentar a universidade pode ser bastante stressante, mas estes sites podem ser a ajuda que necessitas para tudo ficar um pouco mais fácil. Diversidade de preços e localizações, pesquisas rápidas e por localidades, rapidez no arrendamento e segurança nos pagamentos são mais do que bons pontos de partida quando chegar a altura de escolheres o teu futuro lar académico.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.