text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Universidades do Interior conseguem mais alunos

      
A UTAD foi uma das universidades que ganhou mais alunos
A UTAD foi uma das universidades que ganhou mais alunos
  • A diminuição de vagas nas instituições de ensino superior em Lisboa e Porto permitiu um aumento nas universidades e politécnicos do interior.
  • A UTAD, o Politécnico de Bragança e a Universidade do Minho ganharam novos estudantes neste novo ano letivo.
  • Para o Ministério da Educação os números mostram que existe uma maior perceção da qualidade do ensino nas instituições do interior.

Após o Ministério do Ensino Superior ter determinado uma redução nas vagas das instituições de Lisboa e Porto, a medida teve o efeito esperado. As universidades e politécnicos do interior beneficiaram do corte e aumentaram o número de alunos.

Os resultados das colocações indicam que se verificou um ganho de novos estudantes nas instituições situadas em regiões identificadas como tendo “menor procura e menor pressão demográfica”. Na sequência das colocações da 3.ª fase, os dados mostram um aumento do número de colocados face a 2017 em 10 instituições de ensino superior, como resultado das medidas de afetação de vagas para o interior determinadas este ano. As instituições de ensino superior fora de Lisboa e Porto representam agora cerca de 54% do total de colocados (53% de peso relativo em 2017).

O concurso nacional de acesso decorreu este ano num contexto de redução de cerca de três mil estudantes inscritos nos exames do 12.º ano (redução de 3%), tendo resultado numa diminuição semelhante de cerca de 3% do número de alunos colocados ao abrigo deste concurso.

Gostavas de estudar numa universidade do interior?

Procura na Universia

Mais colocados em regiões do interior

Logo na primeira fase do concurso nacional de acesso as estatísticas indicaram a existência de um aumento de 0,7 dos colocados em regiões de menor densidade demográfica face a igual fase de 2017. Verificou-se igualmente um aumento de estudantes colocados na primeira opção em universidades e politécnicos no interior.

Os números “indiciam uma maior perceção da alternativa de qualidade que estas instituições de ensino podem representar”, realça uma nota da tutela.

“Os resultados mostram que a medida de redistribuição de vagas cumpriu claramente os objetivos. O aumento de colocados nas universidades de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Algarve, Évora ou nos politécnicos de Bragança, Tomar e Portalegre é prova disso. Por outro lado, não se verificaram os receios de concentração nas instituições de Aveiro e de Coimbra (que ficaram de fora da obrigação de cortar vagas). Esta estratégia de reequilíbrio interno para garantir o aumento da competitividade global deve continuar”, disse ao jornal Expresso o ministro Manuel Heitor.

UTAD, Politécnico de Bragança e Universidade do Minho com mais alunos

Entre as instituições do interior que conseguiram mais estudantes, feito o balanço do número de estudantes colocados na 3ª fase do concurso nacional de acesso, o destaque vai para a Universidade do Minho com mais 92 estudantes e para a UTAD, que atraiu mais 67 novos estudantes do que no ano anterior. A Universidade da Madeira também registou uma subida de 45 caloiros, a do Algarve 38 e o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave 34.

E onde se verificaram perdas? Foi o caso dos politécnicos da Guarda (menos 103), de Bragança (menos 64) ou de Leiria (menos 53). 

Aumento de 13% dos alunos nos TESPs

Além dos 45.313 estudantes que garantiram colocação no ensino superior público através do concurso geral existem milhares de outros que ingressam nas universidades e politécnicos por outras vias de acesso como os estudantes internacionais ou os que entraram por via de Cursos Técnicos Superior Profissionais (TESPs) ou maiores de 23 anos.

No caso dos TESPs, que são formações politécnicas de dois anos e integram um estágio profissional, o Ministério afirma que deverão receber mais 7719 jovens, o que corresponde a um aumento de 13%.

Estes cursos são muito procurados pelos alunos que completam o ensino secundário através da via profissional, mas também cada vez mais por estudantes dos cursos gerais.

Conselhos para sobreviver ao primeiro ano da universidade

Infografia: Conselhos para sobreviver ao primeiro ano da universidade

Apresentamos as chaves para que o estudante possa sobreviver a esta nova fase da vida e entrar com o pé direito no primeiro ano da universidade.

Inscreva-se e baixe este infográfico gratuitamente


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.