text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Estudar em Portugal: guia para os estudantes brasileiros

      
O ENEM é válido nas universidades portuguesas
O ENEM é válido nas universidades portuguesas  |  Fonte: iStock

Sou brasileiro, não tenho uma nota do ENEM mas quero candidatar-me à Universidade. Como faço isso?

Os estudantes brasileiros podem candidatar-se às Universidades Portuguesas mesmo sem terem uma nota do ENEM. Para esta situação, existem 3 opções que podes seguir:

Opção 1 - Prova de Ingresso nas Instituições Permitidas 

As notas do ENEM podem ser substituídas pelas provas de ingresso. As provas de ingresso são semelhantes ao “vestibular”, porém a diferença consiste em que apenas vais realizar a prova específica de cada curso e Universidade em que pretendas ingressar, por oposição a uma prova unificada a nível nacional.  

Por norma as provas de ingresso são realizadas em território Português, não obstante algumas IES têm acordo com a EduPortugal, podendo ser realizadas também no Brasil. A saber:

  • ESAP – Escola Superior Artística do Porto

  • Universidade Lusíada Escola Superior de Saúde Norte Cruz Vermelha Portuguesa

  • Egas Moniz

  • CESPU 

Opção 2 - “Ano Zero” ou Período Preparatório

No chamado Ano Zero, o que acontece é que vais ficar matriculado num reduzido número de disciplinas que façam parte do curso no qual te pretendes graduar. O Ano Zero tem a duração de 1 ou 2 semestres lectivos  e o objetivo é ser um ano preparatório para te ires integrando e “ambientando” ao sistema. Até ao momento, apenas 2 Universidades Portuguesas integram este sistema, as lendárias Universidade de Coimbra (Ano Zero) e Universidade Nova de Lisboa (Semestre Pré-Universitário).

Opção 3 - Vives em Portugal?

No caso de não residires em Portugal terás de fazer o exame de acesso da IES em que pretendes ingressar. Porém, se resides legalmente em território português há 6 meses ou mais, podes pedir o Estatuto de Igualdade. Nota que para poderes pedir este estatuto tens de ter +18 anos e cidadão de nacionalidade brasileira com autorização de residência válida em Portugal.

Se cumprires estas 3 premissas podes então inscrever-te nos  termos de igualdade na escola secundária da sua área de residência, onde irás, tal como os cidadão portugueses, realizar o ENAES (Exame Nacional de Acesso ao Ensino Superior) onde terás de te fazer valer dos teus conhecimentos para conseguires as notas para a vaga que pretendes. Se vives em Portugal há +2 anos, então  podes ir inscrever-te diretamente na escola secundária da tua área de residência para fazeres o ENAES.

Como validar os cursos profissionais do ensino médio?


Para validar os cursos profissionais e artísticos do ensino secundário (ensino médio no Brasil), o processo é igual aos cursos científico-humanísticos. Assim, para obteres a equivalência do teu diploma do Ensino Médio Brasileiro ao Ensino Secundário Português, terás, em primeiro lugar de solicitar a Declaração de Escala de Notas e Declaração de Nota Mínima, visto que o Sistema de Ensino Brasileiro observa uma escala de notas diferente do Sistema de Ensino Português. 

1. Como obter a Declaração de Escala de Notas e Nota Mínima


Poderás obter esta declaração junto da Embaixada do Brasil em Lisboa (nota por favor que o Consulado não emite este documento, visto que o mesmo terá de ser apostilado) entrando em contacto com o os serviços do Setor de Cooperação Educacional. Quando te dirigires presencialmente (prazo de 15 dias de entrega) aos Serviços da Embaixada para solicitares a declaração, deverás fazer-te acompanhar ou enviar fotocópia do teu histórico curricular (sendo que este documento tem de conter indicação de estar aprovado). Também podes fazê-lo online (prazo de 45 dias de entrega) caso não estejas em Lisboa, através do email educacional.lisboa@itamaraty.gov.br

2. Como obter a Declaração de Equivalência


Uma vez com a Declaração de Escala de Notas e Nota Mínima em tua posse, dirige-te à escola secundária portuguesa mais perto de tua casa fazendo-te acompanhar de:

  • Histórico escolar original e fotocópia deste documento

  • Declaração de escala de notas original

  • Comprovativo de autorização de residência

  • Identificação (cartão do cidadão ou passaporte)

Depois de tratares desta burocracia, e consoante a escola secundária, a Declaração de Equivalência poderá levar entre 5 a 15 diasa ser-te entregue.

Coisas importantes: 

  • Esta Declaração é um documento pessoal e intransmissível, devendo ser mantida junto com o teu diploma e histórico curricular da escola e em qualquer caso o deves entregar a outra pessoa.

    Quando tiveres o teu Diploma de Graduação Secundária (ou Superior), e também para o teu Histórico Escolar, deves sempre solicitar a apostila de cada um destes documentos.

    Pro-tip:Precisas de fazer equivalência de curso em Portugal? Então será necessário apostilares o Programa Completo das Disciplinas que fizeste - as chamadas “ementas disciplinares” - através da legalização pela Apostila de Haia. Para não teres de pagar o preço de legalizar cada uma das páginas, encaderna as ementas disciplinares para que possam ser apostiladas como um único documento. 

    Algumas escolas podem requerer que o teu histórico curricular contenha as assinaturas reconhecidas no cartório brasileiro e que, ainda no Brasil, seja validado com o selo ou carimbo para autenticar a veracidade de o documento ter sido autenticado pela >Apostila de Haia

    Não vives em Lisboa ou Portugal? Não há problema! Reforçamos mais uma vez que a  EduPortugal se disponibiliza para tratar de tudo por ti. Entra em contacto com os Serviços e boa sorte no teu novo desafio.

Visto para estudantes brasileiros no Ensino Superior em Portugal


Um curso de mestrado pode levar entre 1 a 2 anos. Por este motivo, a modalidade do visto que deverás requerer junto do Consulado Português no Brasil irá depender da duração do teu curso. Ou seja, tanto para o Mestrado como para qualquer outro grau académico, o visto que deverás pedir no caso de o teu período de estudos prever uma estadia com duração superior a 1 ano, será o Visto de Residência. O Visto de Residência é regulamentado pelo Artigo 58º da Legispédia do SEF e permite uma estadia de até 4 meses. Porém, pode levar até 60 dias até ser emitido o parecer sobre a decisão de aprovação ou não deste visto. Na Subsecção II deste artigo, encontra-se a opção do Visto de residência para obtenção de autorização de residência, que se destina aos cidadãos internacionais que pretendam exercer atividades de investigação científica, frequência de um programa de estudos de ensino superior, programas de intercâmbio de estudantes de ensino secundário, ou um estágio, daqui em diante designado Visto de Estudante

Já no caso de o teu período de estudos observar uma duração igual ou inferior a 1 ano, então deverás solicitar o Visto de Estudante. É importante referir antes de mais que o Visto de Estudante não contempla autorização para trabalho remunerado (vê aqui os vistos específicos a que te podes aplicar para trabalhares em Portugal).

A obtenção de qualquer um dos vistos pode ser um processo que leve entre 1 a 3 meses até estar completo. Mesmo que cumpras todos os requisitos e condições aplicáveis no que se refere à documentação necessária, a verdade é que podes levar até 90 dias até teres o visto em mãos, dada toda a natureza burocrática destes trâmites legais. Por esta razão é conveniente que comeces a tratar de reunir toda a papelada requerida e entres em contacto com os Serviços do Consulado para submeteres a tua aplicação com a maior antecedência possível.

Uma outra coisa muito importante que deves ter em consideração é isto: não compres a passagem antes de teres o visto em mãos, ou arriscas ficar numa situação muito desconfortável em que podes perder o teu dinheiro sem direito a reembolso, dado que o Consulado não assume responsabilidade por encargos resultantes caso tenhas que  alterar  as datas da viagem. Todos sabemos como pode ser tentador comprar as passagens nas épocas baixas, mas pensa bem se vale a pena correres o risco de perderes 100% do teu dinheiro da passagem pela possibilidade incerta de poupares alguns euros!

Pro-tip: Se não conseguires um Visto de Estudante ou de Residência a tempo e horas de começares as aulas, vais precisar (enquanto tratas da Autorização de Residência) de um Visto Schengen C (90 dias) ou D (+90 dias e renovável durante 5 anos), assim como prova de que tens rendimentos para subsistires sem teres de trabalhar. Ou, em alternativa, a Autorização de Residência sem Visto de  Residência, na qual terás de ter em conta algumas normas. Vejamos:  

Autorização de Residência em Portugal sem o Visto de Residência

Se não tiveres tempo de tratar do teu visto ainda no Brasil, existe também outra maneira de teres uma Autorização de Residência sem o Visto de Estudante ou de Residência do Consulado. A autorização de residência, ou título de residência, tem a validade de 1 ano e é renovável por períodos de tempo com igual duração - caso continues a corresponder às condições de acesso - ou seja, caso continues a estudar em Portugal. Nota que este documento pode levar entre 2 meses a 1 ano a ser-te entregue desde a data em que fizeres a marcação no SEF, por isso, além de reunires tudo com a maior antecedência possível, não saias de Portugal durante este período nem para ires beber um café a Ayamonte (uma belíssima localidade no Sul de Espanha), pois se saíres antes de teres o Visto ou a Autorização corres o risco de não voltares a entrar.

Podes conseguir a Autorização para os Estudantes do Ensino Superior português mesmo sem teres o visto de estudo do Consulado desde que tenhas entrado legalmente em território nacional - e o possas comprovar mediante o carimbo no teu passaporte, mesmo que tenhas entrado por Espanha. Além disto,  para poderes usufruir plenamente do teu direito, deves responder às seguintes condições:

  • Carta de Aceitação de uma Instituição do Ensino Superior [IES] português, de preferência com indicação de que já te encontras  matriculado o mês em que começam as aulas;

  • Comprovativo de que efetuaste a matrícula na tua IES de escolha (caso esta informação não esteja contemplada na Carta de Aceitação) 

  • Comprovativo de que dispões de recursos financeiros para pagares as propinas e para te manteres em Portugal através da Declaração de Imposto de Renda que possa certificar rendimentos anuais acima de 50 mil reais (teus ou de quem te financia) e/ou em alternativo comprovativo de saldo suficiente disponível em conta bancária que equivalha a este valor para o período de tempo pretendido. 

Se tiveres a documentação acima, poderás realizar o teu Pedido de Autorização. Para dares continuidade a esse processo,  deves requerer e/ou apresentar ainda os seguintes documentos listados em baixo:

  • Pedido apresentado presencialmente, em impresso próprio, assinado pelo requerente, ou então assinado pelo respetivo representante legal, caso o requrente seja menor de idade ou observe um grau de incapacidade impeditivo/moroso;

  • 2 fotos tipo passe (tamanho diferente da tradicional 3×4, por isso o melhor é fazeres estas fotos em Portugal). As fotos têm ainda de serem iguais,  a cores, com o fundo liso, estarem atualizadas e com boas condições de identificação (nada de fotografias todas amarrotadas com vincos ou pingos de chuva, e não te esqueças que não te podes rir). Tem em mente que este Passaporte tipo passe tem a validade de 6 meses antes de expirar;

  • Comprovativo de alojamento em Portugal: para este efeito serve um contrato de arrendamento de imóvel, termo de arrendamento de um quarto, ou carta que determine o teu alojamento numa residência de estudantes;

  • Certidão de Antecedentes Criminais do Brasil: podes pedir este documento online

  • Apresentar o CDAM / PB-4 (incluído pelo Sistema Nacional de Saúde [SNS], o sistema de saúde pública português) ou então que usufruis de um seguro de saúde privado em território português;

  • Se já tens Número de Identificação Fiscal [NIF], deverás apresentar o respectivo comprovativo da Autoridade das Finanças com o número que te foi atribuído; 

Coisas importantes:

Existem vistos para brasileiros que queiram ser voluntários em Portugal?

Sim, existem, para brasileiros e para voluntários de qualquer outro país. Como disposto no Artigo 62º da Legispédia do SEF, para além das condições gerais regulamentadas pelo Artigo 52.º – Condições gerais de concessão de vistos de residência, de estada temporária e de curta duração,  o voluntário que  pretenda um visto para futura obtenção de autorização de residência cujo propósito seja a participação num programa de voluntariado nos termos da alínea r) do artigo 3.º, terá apenas de fazer duas coisas: 

  • Ter contrato com a entidade de acolhimento responsável no qual estejam contemplados a descrição do conteúdo e duração do programa de voluntariado, bem como horário, condições de supervisão e garantia da cobertura das despesas de alimentação e alojamento, incluindo uma soma mínima de ajudas de custo ou dinheiro de bolso;

  • Certificar-se de que a entidade de acolhimento subscreveu um seguro de responsabilidade civil, à exceção do caso dos voluntários do Serviço Voluntário Europeu.

Bolsas de estudo em Portugal para estudantes brasileiros

A cooperação internacional entre universidades de todo o mundo na procura de um espaço comum para partilha e desenvolvimento do conhecimento, nomeadamente através de parcerias entre instituições do universo ibero-americano, têm vindo a revelar-se uma preciosa alavanca para impulsionar muitos estudantes na plena conclusão do seu percurso académico.

Se és um estudante brasileiro  e procuras apoios financeiros para dar continuidade aos teus estudos nesta segunda casa do outro lado do Atlântico, confere abaixo a lista de bolsas de estudo em Portugal para estudantes brasileiros:

Bolsas Luso-Brasileiras Santander Universidades

As Bolsas Luso-Brasileiras Santander são um programa de mobilidade internacional destinado a estudantes de universidades brasileiras e portuguesas que permite que 175 estudantes brasileiros realizem um semestre de intercâmbio em universidades portuguesas (e vice-versa), anualmente. 


Não é fruto de mero acaso que o Banco Santander foi reconhecido pelo ranking Global Fortune 500 como a empresa que mais investe em educação a nível mundial: no Brasil, mais de 300 instituições de ensino são contempladas pelos vários programas das Bolsas Santander Universidades.

Ajuda financeira: o universitário contemplado recebe o equivalente a 3 mil euros para custear gastos como passagem de avião, hospedagem e alimentação durante o intercâmbio

Bolsas AUIP 

O Brasil é um dos países integrantes da Asociación Universitaria Iberoamericana de Postgrado que contempla um total de 21 nações entre a América Latina e a Península Ibérica. Este programa destina-se a providenciar ajudas de custo a estudantes de Pós graduações, Mestrados e Doutoramentos. 

Ajuda financeira: até 1200€ - ajuda exclusivamente destinada a cobrir os custos do deslocamento internacional

Bolsas Capes

Os programas do Capes são orientados para a cooperação internacional e visam providenciar oportunidades de formação profissional de alto nível e especialização para estudantes e professores através de bolsas de estudo em diversas modalidades. 

Ajuda financeira: desde 870€/mês* para estudantes de Licenciatura ou até 2100€/mês para estudantes de Pós-Doutoramento

*a ajuda financeira será ajustada para 300€ mensais caso o estudante contemplado seja beneficiário de uma Bolsa com alojamento custeado pela Capes ou pela instituição exterior. Confira a tabela completa aqui.

Bolsas Instituto Camões

O Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. desenvolve um conjunto de programas de bolsas de estudo no âmbito da língua e cultura portuguesas. De entre os quais destacam-se:

Programa Fernão Mendes Pinto

Destinam-se a licenciados ou estudantes finalistas*, portugueses e estrangeiros, envolvidos em projetos de formação científica ou profissional na área de português língua estrangeira, através de Centros de Língua Portuguesa do Camões, I.P., Leitorados do Camões, I.P. em universidades estrangeiras e universidades e instituições estrangeiras que tenham acordos com o Camões, I.P. A duração das bolsas não é fixa, podendo as mesmas ser renovadas.

*São considerados alunos finalistas todos aqueles a quem falte até 24 ECTS para conclusão do curso

Curso Anual

Destinada a estudantes estrangeiros e portugueses que residam no estrangeiro e que pretendam aperfeiçoar a sua competência linguística, estas Bolsas para frequência de cursos anuais de língua e cultura portuguesas, ministrados em universidades portuguesas ou em instituições reconhecidas pelo Camões, I.P. têm a duração de oito meses e não são renováveis.

Bolsas da Cooperação

As bolsas de estudo da Cooperação Portuguesa facilitam o acesso à formação científica e técnica dos seus jovens e constituem-se como um instrumento de reforço do sistema científico e tecnológico dos países parceiros. Nomeadamente, em áreas consideradas de maior importância para o desenvolvimento desses mesmos países, promovendo valores como a equidade e a igualdade de género.

FCT - Bolsas de Formação Avançada

Concurso permanente de Bolsas de Licença Sabática (BSAB)

As Bolsas de Licença Sabática são destinadas a doutorandos em regime de licença sabática para auxílio na realização de atividades de investigação em instituições estrangeiras. A duração destas bolsas poderá ser de 3 meses até um período máximo de 1 ano, não é renovável, e é relativa exclusivamente ao período de permanência no estrangeiro.

Coisas importantes:

A Universidade de Aveiro atribui um incentivo a todos os estudantes internacionais cuja nota de candidatura seja igual ou superior a 14 valores. Também o Instituto Politécnico de Leiria e a NOVA SBE disponibilizam programas e apoios de natureza similar. Estes são exemplos a título meramente ilustrativo e não compreensivo visto muitas universidades disponibilizarem este tipo de apoios através dos SAS ou de parcerias com instituições. Neste sentido, deverá consultar o Gabinete de Apoio ao Estudante por forma a obter as informações que necessita da instituição onde pretende ingressar.

Em média, um estudante que não tenha a ambição de levar um estilo de vida dado a grandes luxos irá gastar, em média, cerca de 650€/mês, incluindo propinas, alojamento, alimentação, e outras despesas.

Links úteis:

Santander-IE Digital DNA

Bolsa de mérito: como saber quanto se recebe?

Guia de Financiamento Europeu

Licenciaturas Internacionais - Portugal

Bolsas PROCULTURA PALOP-TL UE

Quais são as universidades portuguesas com a maioria de estudantes brasileiros?

O Brasil é sem qualquer dúvida a maior presença internacional no Ensino Superior Português, sendo que os estudantes brasileiros representam cerca de 32% do total dos estudantes em mobilidade internacional. A Língua Portuguesa é certamente um dos fatores mais apelativos do ensino português aos estudantes brasileiros, mas existem outros, tais como a ligação entre Portugal e o Brasil que tem hoje mais de 500 anos de história e também cursos europeus de referência mundial como por exemplo o curso de Farmácia.

Em 2020, a Universidade do Porto por exemplo viu um aumento de 30% de ingresso de estudantes brasileiros na sua instituição. Vale também a pena sublinhar que das 80 nacionalidades de alunos estrangeiros na nesta instituição, 78% são oriundos do Brasil.  Ou seja, 3 em cada 4 alunos internacionais na Universidade do Porto são estudantes brasileiros. Também na Universidade de Coimbra, a comunidade de estudantes brasileiros representa a maior fatia de estudantes estrangeiros. 

De acordo com os dados disponibilizados pela Direção-Geral das Estatísticas da Educação e Ciência [DGEEC], o Brasil é o país de onde é oriunda a grande maioria dos estudantes estrangeiros em Portugal. No ano letivo 2018/2019, dos 45.794 estudantes internacionais inscritos no ensino superior português, cerca de 26% (13.295) eram estudantes brasileiros. Também segundo o jornal O Globo, o número de estudantes brasileiros em Portugal cresceu mais de 500% desde 2005

Como funcionam as qualificações de entrada nas universidades portuguesas?

Em Portugal não existe um sistema de candidatura unificado para todas as universidades, como o Sisu no Brasil. Por isso, para ingressar no ensino superior português deverás consultar os requisitos das IES que te possam interessar, com foco no Concurso Especial de Acesso do Concurso Nacional de Acesso do Ensino Superior.

ENEM é válido no ensino superior português

O ENEM pode ser aplicado tanto no acesso a universidades brasileiras como europeias, como acontece em Portugal. Este é o método utilizado pela maior parte dos estudantes com nacionalidade brasileira que pretendem ingressar no ensino superior português. A utilização do ENEM passou a ser possível em Portugal desde 2014. A Universidade de Coimbra, a instituição de ensino portuguesa com mais brasileiros, foi a primeira em Portugal a aceitar a nota do ENEM.

Que cursos portugueses não aceitam o ENEM

Sejam bolsas de estudo para estudantes internacionais, descontos nas propinas para estudantes brasileiros, ou a aderência ao Enem, há muitos bons motivos para pensares esta possibilidade.  Há apenas 3 cursos portugueses que não aceitam o ENEM, que são os cursos da área da saúde: Medicina, Medicina Veterinária e Medicina Dentária.

Devem ser titulares de qualificação que dê acesso ao ensino superior, entendida como qualquer diploma ou certificado emitido por uma autoridade competente que ateste a aprovação num programa de ensino e lhes confira direito de se candidatar e poder ingressar no ensino superior no país em que foi conferido. Em alternativa, devem ter diploma do ensino secundário português ou de habilitação legalmente equivalente.

Prazos

Os estudantes portugueses candidatam-se ao ensino superior público através de um concurso nacional - o Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior - e, dependendo da média alcançada, podem ou não conseguir garantir uma vaga na universidade ou politécnico escolhidos.

O período de inscrição e seleção ocorre geralmente entre maio e agosto, para o ano letivo começar em setembro. O primeiro período de candidaturas é a 1ª fase e as vagas não preenchidas são disponibilizadas no segundo período de candidaturas que é chamado de 2ª fase. Existe ainda 3ª fase, em que são disponibilizadas as vagas que não foram preenchidas na 2ª fase. No caso das pós-graduações como o semestre inicia em setembro, geralmente os processos seletivos para uma pós-graduação em Portugal começam em março, abril ou maio. Para saber os calendários consulte os sites das universidades que pretendes frequentar.

Para além das faculdades públicas, os estudantes brasileiros também podem ingressar nas faculdades privadas. A Universidade Católica – Pólo de Braga – tem pós-graduações com exceções para captar estes potenciais alunos. Esta situação implica que os portugueses iniciem o curso numa época e os brasileiros no semestre a seguir, existindo um semestre extra para colmatar os diferentes tempos. Por exemplo, para os estudantes brasileiros que queiram frequentar o Mestrado em Comunicação Digital basta que apresentem o documento de identidade e  o certificado de habilitações ou a conclusão de estudos do 1º ciclo na área das Ciências da Comunicação Social e Afins.

Custos

As universidades em Portugal são pagas e mesmo as públicas exigem propinas. Para saber os valores certos consulta as mensalidades nos sites das universidades onde pretendas estudar e evita surpresas. 

Processos de seleção feitos online

Geralmente os processos de seleção são feitos online, o que facilita muito a vida financeira dos estudantes brasileiros e internacionais.

Porque é que é tão difícil trabalhar e estudar na universidade em Portugal?

Estudar no ensino superior e trabalhar ao mesmo tempo é uma tarefa árdua, antes de mais nada porque os alunos portugueses são dos que mais tempo gastam em aulas na universidade. A par da Polónia, Portugal é dos países europeus com mais tempo de aulas, em média, por semana (21 horas), por contraste com a média europeia que é de 17 horas. No Norte da Europa, por exemplo na Suécia ou na Noruega, o número de horas é de 10 e 13 respetivamente.

Em Portugal, o tempo que sobra para uma atividade profissional, entre o tempo que se passa na universidade e a necessidade de estudar em casa torna-se muito reduzido.

É por isso que apenas 22,3% dos estudantes de licenciaturas e mestrados têm trabalho regular durante o ano letivo e 8% têm trabalho de forma ocasional, segundo o Inquérito às Condições Socioeconómicas dos Estudantes do Ensino Superior em Portugal.

A grande maioria dos trabalhadores-estudantes em Portugal correspondem a pessoas que já iniciaram uma carreira profissional e que por algum motivo decidiram estudar e não estudantes que procuram um rendimento extra para ajudarem a pagar os estudos ou serem mais autónomos em relação às famílias. Para ajudar quem está a estudar e trabalhar ao mesmo tempo deixamos cinco dicas que vão ajudar a que não enlouqueça:

1. Estabelece prioridades

O que é mais importante para ti: estudar ou trabalhar? O primeiro passo é verificar qual o teu principal objetivo neste momento. Se a resposta for o trabalho, o profissional pode alargar o prazo temporal para concluir os estudos, se pelo contrário o diploma for o plano número um deverás procurar um emprego que apresente alguma flexibilidade de modo a ser mais fácil conciliar com os estudos com o trabalho.

2. Cria uma rotina

Tenta ser uma pessoa disciplinada, cria uma rotina e sê fiel ao que planeaste. Estabelece horários para te dedicares aos projetos profissionais e também para estudares de maneira produtiva. Desta forma, existem menos probabilidades de adiares as tarefas e seres tentado pela vil procrastinação. 

3. Otimiza o tempo livre

Não existem milagres. Pelo menos, desde 25 de maio de 1917 que não existem milagres oficiais em Portugal, vai daí que o mais sensato será não apostares as tuas fichas em N.ª Sr.ª de Fátima para otimizares o teu tempo livre.  Quem estuda e trabalha ao mesmo tempo tem que sacrificar os tempos livres, nomeadamente os fins-de-semana. Para ter coragem para esta batalha não te concentres tanto no presente, pensa antes nos ganhos futuros. Foca-te na ideia de que estás a fazer este esforço para progredir profissionalmente. Com este mindset e foco nos objetivos futuros é mais fácil evitar as distrações, como estar nas redes sociais ou ver televisão. Mas atenção, dentro das tuas possibilidades, procura manter o teu bem-estar como uma prioridade absoluta.

Estudar e trabalhar ao mesmo tempo pode ser difícil de conciliar, mas certamente não é impossível. Atira-te ao mar e não desistas dos teus sonhos, é o nosso conselho!


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.