text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

As propinas são um fator de desigualdade social?

      
As propinas são um fator de desigualdade no acesso ao ensino superior
As propinas são um fator de desigualdade no acesso ao ensino superior  |  Fonte: Shutterstock
  • Os partidos à esquerda têm debatido a necessidade de eliminar as propinas no ensino superior.
  • O objetivo seria criar uma maior igualdade de acesso aos estudos superiores.
  • Durante a Convenção Nacional do Ensino Superior o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, concordou com o fim das propinas.

O acesso ao ensino superior é igualitário? Até que ponto as propinas são um fator de diferenciação social quando se sabe que Portugal tem um valor elevado em comparação com outros países europeus?

É precisamente com a ideia de que todos têm direito ao acesso ao ensino superior que os partidos de esquerda têm debatido a necessidade de eliminar as propinas e agora o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, veio também defender a mesma ideia.   

Durante o encerramento da Convenção Nacional do Ensino Superior, que decorreu no início de janeiro, o chefe de Estado concordou que o fim das propinas é uma forma de acabar com as desigualdades. A ideia foi colocada em cima da mesa pelo ministro da Educação, Manuel Heitor.

A este propósito, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que esta medida poderá significar “dar um passo para terminar o que é um drama, que é o número elevadíssimo de alunos que terminam o ensino secundário e não têm dinheiro para o ensino superior, porque as famílias não têm condições, portanto, têm de trabalhar, não podem permitir-se aceder ao ensino superior."

O fim das propinas nas licenciaturas contou igualmente com o apoio do reitor da Universidade de Lisboa, que sublinhou a necessidade de um financiamento público a estas instituições de ensino no valor de 250 milhões de euros anuais caso este cenário se venha a concretizar, calculou António Cruz Serra.


Eliminar as propinas será sempre uma meta exigente

Mesmo que estejamos a falar de um horizonte de médio prazo, colocar um ponto final nas propinas será sempre uma meta exigente, devido ao peso que estas têm vindo a assumir nas contas das universidades e politécnicos. As propinas renderam às instituições de ensino superior públicas 330,1 milhões de euros em 2017, o valor mais alto de sempre.

As questões das desigualdades no acesso às universidades e politécnicos dominaram a Convenção Nacional do Ensino Superior. Governo, partidos e estudantes mostraram-se de acordo quanto a tornar menos dependente dos fundos comunitários a necessidade de financiamento das bolsas de ação social. Estas deverão passar a integrar o Orçamento de Estado.

Em relação às bolsas de acção social, o secretário de Estado do Emprego, Migual Cabrita, afirmou que aquilo "que deve acontecer progressivamente" é o Orçamento do Estado (OE) passar a garantir o financiamento dos apoios sociais.

5 conselhos para começar a universidade com o pé direito

Infografía: 5 conselhos para começar a universidade com o pé direito

O modo como te relacionas com colegas e professores é muito importante para que te sintas bem no ambiente universitário. Com esta ideia em mente, anota 5 conselhos para começar o ano letivo com o pé direito

Inscreva-se e receba este infográfico gratuitamente


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.