text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

5 dicas para tirar o melhor partido de estudar em casa

      
As pessoas são diferentes e funcionam de maneiras diferentes
As pessoas são diferentes e funcionam de maneiras diferentes  |  Fonte: iStock

E não há necessidade de apontar dedos ou fazer julgamentos: as pessoas são diferentes e funcionam de maneiras diferentes. Há pessoas que só conseguem ser produtivas a estudar em grupo ou inseridas num ambiente de grupo. Seja porque as trocas de ideias e esclarecimentos de dúvidas são processos facilitados por esta dinâmica, seja por uma questão de bem-estar, seja por qualquer outra razão. Já no caso de outras pessoas a situação inverte-se:  os níveis de produtividade disparam quando estudam sozinhas. A concentração aumenta, o silêncio ajuda-as a reter informação, e conseguem esclarecer as dúvidas mais eficazmente através dos seus próprios meios. Quem nunca tiver fingido que estava a perceber perfeitamente uma explicação de um amigo para não ter de passar pelo embaraço de perguntar pela 7ª vez porque é que determinado evento acontecia de certa maneira, das duas uma: ou devia candidatar-se aos testes Mensa ou já foi mais honesto.

De qualquer maneira, estudar em casa é uma estratégia que requer muita disciplina. Fique a saber neste artigo dicas sobre as melhores maneiras de maximizar a produtividade da sua metodologia.


1. Defina um horário


Quando deixamos que as prioridades se organizem “organicamente” no dia-a-dia, às vezes nem sempre é possível ir a tempo de salvar uma maratona de 36h de estudo e a respectiva ineficácia desta estratégia. Não é fácil dizer que não a um jantar com amigos, sair da cama ao raiar da aurora ao fim-de-semana (que é como quem diz antes das 11h da manhã), ou abandonar uma sessão de CS:GO num killing spree que se estende há mais de 10 rondas. Mas parte de crescer é saber organizar conscientemente as prioridades. Partindo do princípio que tem uma ideia realista de quanto tempo vai precisar para se preparar capazmente, o que tem a fazer é o download gratuito da app iStudiez Pro Legendary Planner (iPhone) ou  o Smart Study Plan (Android) para atingir os seus objectivos. A segunda parte do plano é, como poderá ter adivinhado, efetivamente cumprir o horário. 


2. Desative as notificações


Admitir que passamos uma generosa parte do nosso tempo de estudo a responder às notificações do telemóvel é o início do fim de um ciclo complacente com estratégias ineficazes de produtividade. Deixe as plataformas, mensagens, e redes sociais para os intervalos. O problema não é só o tempo efetivamente despendido nessas atividades, mas a energia que o  cérebro é forçado a investir de cada vez para voltar a atingir um estado de concentração. A app StayFocusd pode ajudá-lo nesta tarefa.



3. Organize o espaço de trabalho


Um espaço de trabalho limpo e organizado vai não só permitir eliminar várias perdas de tempo na procura de documentos, trabalhos, etc, como por outro lado, a eliminação da poluição visual por si só é algo que além de diminuir a ansiedade, ainda possibilita ao cérebro aumentar o foco e a concentração na tarefa que tiver em mãos. Há mesmo estudos que indicam que um espaço de trabalho esteticamente agradável pode aumentar o seu rendimento até 15%. Aproveite o facto de estar a estudar em casa e considere complementar a sua área de estudo com uma planta ou um objecto que lhe traga serenidade.


4. Faça intervalos regulares


Temos a falsa impressão de que quantas mais horas empreendermos num trabalho, melhor estaremos a investir o nosso tempo. Esta crença está longe de corresponder à realidade e este é um dado comprovado por um estudo da Marinha dos EUA. O cérebro precisa intervalos regulares para poder funcionar dentro das suas melhores capacidades. Após blocos de 60/90min de trabalho, certifique-se de que faz uma pausa de 15min para lanchar ou por vezes apenas 5min para apanhar ar e desentorpecer as pernas podem ser suficientes para recarregar baterias.


5. Temperatura agradável


Um estudo da Universidade de Aveiro descobriu que, em média, as notas caem 4% por cada grau de desconforto térmico. Por isso, se pensava que a queda no seu aproveitamento em nada se relacionava com a ventoinha avariada em dias de 40º, agora já sabe que provavelmente será mais compensador mandar arranjar a ventoinha. 


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.