text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Exames nacionais - datas, check-list, e tudo o que precisas saber

      
Os exames nacionais são possivelmente as provas de conhecimento mais importantes pelos quais iremos passar.
Os exames nacionais são possivelmente as provas de conhecimento mais importantes pelos quais iremos passar.  |  Fonte: iStock

1. Para que servem as Provas de Ingresso?

2. Já sabes as datas dos exames nacionais?

3. Os exames nacionais promovem desigualdades entre estudantes?

4. Exames nacionais: check-list base 5

Para que servem as Provas de Ingresso?


As provas de ingresso tratam-se do meio de classificação para entrada no Ensino Superior. Estas provas são alcançadas através da realização dos exames nacionais. Estes tanto podem reverter para uma média final de conclusão do ensino secundário, como a sua classificação também conta para a entrada num dado curso do ensino superior.


Por norma, as instituições de ensino superior elegem as provas de ingresso que são necessárias para a candidatura. Pode acontece  uma prova de ingresso equivaler a vários diversos exames nacionais, e nesse caso será apenas necessário realizar um deles.  

Características das Provas de Ingresso


  • Validade dos Exames

Poderás realizar os exames nacionais finais como prova de ingresso para uma instituição de Ensino Superior. Estas provas de ingresso têm validade para o ano em que foram realizadas, assim como para os dois anos consecutivos seguintes.


  • Classificação Mínima

As instituições de Ensino Superior fixarão uma classificação mínima exigida para a candidatura num determinado curso. No entanto, o concurso nacional irá determinar a seriação dos candidatos e, por sua vez, a sua colocação ou não num determinado curso. Poderás aceder às classificações mínimas necessárias para entrar num curso através do Guia de Candidatura anual.


  • Exames Estrangeiros

Para alunos de cursos não portugueses, pode-se verificar a equivalência dos mesmo em relação aos cursos de ensino secundário em Portugal. Em algumas situações os exames finais realizados em cursos não portugueses, poderão constituir provas de ingresso.


  • Guias das Provas de Ingresso

As provas de ingresso serão essenciais para o aluno pré-universitário, devendo este informar-se ao máximo acerca das mesmas. Em alguns casos, para aceder a determinado curso serão também necessários pré-requisitos que poderão constituir provas de visão, psicológicas, entre outras… É importante sublinhar que as notas dos exames nacionais poderão ser contestadas comdevido fundamento


O melhor que tens a fazer para estar preparado é leres cuidadosamente os guias das provas de ingresso tanto para o Ensino Superior Público como para o Ensino Superior Privado, dependendo da tua vontade. Ambos os guias se encontram disponíveis para consulta no portal da Direção Geral do Ensino Superior [DGES] observando algumas especificidades e eventualmente atualizações anualmente.


  • Guias de Candidatura ao Ensino Superior

Se já realizaste as provas de ingresso ou ainda estás a escolher aquelas que deverás fazer, tem em atenção que também deverás dedicar algum tempo e ler as guias acerca do concurso nacional de acesso ao ensino superior. A escolha do curso que irás seguir é um momento importante e decisivo para o teu futuro, ainda que as novas profissões e o novo contexto global cada vez mais possibilitem que te venhas a surpreender a ti próprio - mas ter um curso superior numa área do teu interesse é sempre um elemento chave que facilita muito a preparação e estruturação do teu futuro.


 Aconselhamos vivamente a consultares a plataforma da DGES e em particular o Assistente de Escolha do Curso. Nesta última página é possível ver em todos os cursos do ensino superior e as provas de ingresso necessárias para a candidatura.*


*Nota importante: certifica-te de que a informação está atualizada quando procederes à consulta.  


Datas dos exames nacionais 2020

Datas dos exames nacionais para o 11º ano:

  • 1ª fase:de 16 de junho a 7 de julho


  • 2ª fase:de 21 de julho a 27 de julho


Datas dos exames nacionais para o 12º ano:

  • 1ª fase:de 15 de junho a 26 de junho


  • 2ª fase: de 22 de julho a 24 de julho


Para mais informações podes consultar o calendário detalhado e outras referências úteis no site dos Ginásios da Educação Da Vinci através deste link.

Os exames nacionais promovem desigualdades entre estudantes?


Uma investigação do Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro considera que é “inegável” que os exames nacionais promovem desigualdades entre estudantes. Isto acontece porque o recurso a explicações ajuda à subida das notas nos exames nacionais, mas nem todos têm possibilidade para pagar o apoio.


Além disso, a tendência é quanto mais se avança na escolaridade, maior ser o número de alunos a frequentar centros de explicações, pelo que esta situação verifica um problema com uma raíz exponencial. Esta é uma desigualdade que provoca “inquietantes preocupações de justiça social e equidade”, nas palavras de uma das investigadoras da Universidade de Aveiro.


Como é que as famílias, escolas e centros de explicações se organizam perante os exames nacionais? A questão foi lançada por Andreia Gouveia na tese de Doutoramento em Educação “Exames nacionais, apoios pedagógicos e explicações: a complexa construção dos resultados escolares em Portugal”.


A conclusão não podia ser mais clara para a investigadora: o grande beneficiário das provas é o crescente mercado dos centros de explicações e os alunos mais beneficiados são os que têm possibilidades financeiras para recorrer a este apoio.


“É inegável que existem fundadas razões para ver no instrumento ‘exame’ uma causa para o agravamento das desigualdades sociais no acesso ao reconhecimento escolar”, sublinha Andreia Gouveia, especialista em Administração e Políticas Educativas na Universidade de Aveiro ao jornal online da instituição de ensino.


  • Duas realidades diferentes, dois resultados opostos

Para o desenvolvimento da tese de doutoramento foram comparadas duas realidades diferentes: um colégio e um agrupamento de escolas considerados de topo nos rankings, e um outro colégio e agrupamento que ficam no fundo dessas mesmas tabelas.


A investigadora entrevistou os diretores, os membros da direção e 692 alunos, bem como os diretores dos centros de explicações mais referenciados pelos estudantes.


Os estudantes das escolas melhor posicionadas no ranking são os que mais procuram apoios fora da escola, obtendo um impacto positivo no desempenho escolar e comportamento na sala de aula.


“Se os fins justificam os meios, as famílias vão usar de todos meios ao seu alcance para atingirem o fim máximo da performance escolar que é aquilo a que se convencionou chamar a excelência escolar”, afirma a investigadora.


Quanto mais se avança na escolaridade maior é o recurso à ajuda fora da escola. Assim, se no 4º ano apenas 26 estudantes frequentavam explicações, o número aumenta até aos 174 estudantes no 12º ano. A maioria justifica a escolha tendo em vista uma melhor preparação para os exames nacionais.


  • Alunos com mais dificuldades sem condições para ter explicações

Sem surpresas, no agrupamento de escolas do ensino público que obteve pior classificação no ranking nacional os jovens afirmaram não recorrer a explicações porque “a sua condição socioeconómica não lhes permitia”. Uma situação muito ilustradora de um cenário díspar e sem respostas, que para a investigadora da Universidade de Aveiro prova que a desigualdade não é um mito, mas uma realidade.


A questão levanta “inquietantes preocupações de justiça social e equidade” na medida em que nem todas as famílias podem suportar uma média de 80 euros mensais por duas horas semanais de explicações, no caso dos alunos do Ensino Básico, ou os 160 euros para os alunos do secundário. Um valor que pode subir consoante o número de horas e disciplinas em que os alunos têm explicações.


Para Andreia Gouveia existe uma excessiva valorização dos exames nacionais, ao contrário de outros países como a Dinamarca, Finlândia ou da Suécia que nem sequer os integram no sistema de ensino. As provas nacionais, conclui, originam “momentos de enorme tensão, stress e ansiedade para todos os alunos e suas famílias, bem como para os estabelecimentos de ensino que frequentam”.

Exames nacionais: check-list base 5


Aqui te deixamos uma breve check-list de 5 dicas para a preparação dos exames nacionais, além de estudares bastante e aproveitares bem as aulas, que são condições algo incontornáveis para o teu sucesso nesta etapa como provavelmente já sabes.


1 - Pentágono do sucesso: além do que já sabes, como dormir 8h, manteres-te hidratado durante o dia, fazeres intervalos a cada 90min entre horários de estudo para esticar as pernas, teres uma alimentação saudável rica em fruta, vegetais, e proteína, procura fazer pelo menos 30 min de exercício diário, pois este é o pentágono de base para a tua performance cognitiva estar ao mais alto nível nas semanas dos exames. Nota que saber estas coisas por si sónão vai ser suficiente para sentires uma diferença, para que os resultados apareçam é mesmo preciso tentares pô-las em prática o melhor possível!


2- Café e pastilha: antes de uma sessão de estudo prolongada ou de um exame bebe sempre um café (se puderes, se não substitui por um chá energizante ou 4 quadradinhos de chocolate preto), pois está mais que provado que a cafeína tem um efeitoestimulante para o sistema nervoso central. Quanto à pastilha, alguns estudos indicam que o mastigar pastilha 20 minutos antes do exame aumenta a circulação de sangue no cérebro, potenciando a concentração, atenção e memória. Se tens curiosidade, podes ler aqui o artigo da Forbes sobre o assunto. 


3- A Probabilidade Condicionada: na escolha múltipla, a estratégia com a melhor taxa de sucesso é sempre assinalar o nosso primeiro instinto, e posteriormente resistir à tentação de mudar à última da hora. Porém, no caso de o número de respostas em que não fazes a menor ideia de qual poderá ser a resposta correcta superar aquelas em que estás na dúvida entre uma e outra, podes jogar com as probabilidades e definir que em todas as respostas que não te dizem absolutamente nada irás optar sempre pela mesma, pois a probabilidade de acertares num maior número de respostas em teoria será maior.


4 - Técnica de enraizamento: não precisas de ir tirar um curso de Mestre de Chakras e Investigador Kundalini, mas é um facto que as filosofias zen milenares da terra do sol nascente têm efeitos benéficos ao nível do bem-estar geral, tanto para o corpo como para a mente. Desta forma, não perdes nada em, sentado direito numa cadeira ou no chão, sobrolho desfranzido, maxilar inferior e língua descontraídos, experimentares inspirar e expirar fundo profundamente 20 vezes por dia, com toda a calma do mundo, tentando não pensar em mais nada senão no percurso do ar a entrar e sair dos teus pulmões. Esta técnica é antes de mais nada uma forma de oxigenares o cérebro.


5- Reset com ondas Delta: as frequências binaurais são um fenómeno perceptual em que o cérebro “cria” um terceiro som quando são apresentados a cada ouvido 2 tons em frequências ligeiramente diferentes. Até há bem pouco tempo não havia nenhum estudo que observasse um cenário de maior consistência e credibilidade para sustentar as especulações de que este efeito tem um reflexo positivo no controlo da ansiedade, entre outras coisas. Contudo, um estudo* bastante completo de uma equipa de Psicologia levado a cabo em Agosto de 2018 parece ter chegado a conclusões sólidas.


PRO-TIP - Técnica da bola de ténis: Horas a fio sentado numa cadeira a estudar têm um custo para a tensão muscular. O ideal era teres uma equipe formada por um massagista privado, quiroprata e osteopata sempre ao teu dispôr quando fizesses um intervalo. Dificilmente isto será uma realidade, e por isso propomos-te ficares a conhecer os efeitos milagrosos que uma bola de ténis, uma superfície plana, e uma toalha ou um tapete podem conseguir em apenas 3 minutos. Este artigo do jornal Guardian explora o assunto em maior detalhe, e no Youtube podes encontrar vários vídeos muito populares sobre o assunto. Evita apenas usar a bola na zona do pescoço, pois visto que é uma superfície esférica e o pescoço é uma zona estreita a bola pode escorregar e magoares-te a sério. Agora que já sabes, bons estudos!


*Fonte: Garcia-Argibay, M., Santed, M.A. & Reales, J.M. Efficacy of binaural auditory beats in cognition, anxiety, and pain perception: a meta-analysis. Psychological Research 83, 357–372 (2019). https://doi.org/10.1007/s00426-018-1066-8 "

TRUQUES PARA MELHORAR OS TEUS HÁBITOS DE ESTUDO

Fica a saber como podes melhorar o teu rendimento nos exames com dicas simples que podes aplicar no dia a dia.

CONSEGUE CLASSIFICAÇÕES EXCELENTES SEGUINDO AS IDEIAS QUE TE CONTAMOS NESTE EBOOK


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.